PERE CALDERS por Lucca Rossi

Atualizado: Jan 23

TRADUÇÃO VOLUME 5 NÚMERO 1


COISAS APARENTEMENTE

SEM TRANSCENDÊNCIAS


DURANTE MUITO TEMPO vivi em uma pensão perto do porto. A família que a administrativa acabou afeiçoando-se a mim, e quando disse a eles que tinha de ir a Bratislava por um caso de polícia a senhora da casa me disse:


—Deixe-nos um retrato do senhor. Colocaremos sobre o piano e assim poderemos sentir com mais gosto a sua falta.


Disse-lhe que não tinha nenhum, que nunca fora partidário de que me retratassem, mas a dama insistiu:


—Faça um. Mesmo que não tenha importância nenhuma. Uma coisinha de nada, sabe? Só para guardar a fisionomia.


Realmente era tão fácil contentá-la e eu lhe devia tantas coisas que não podem ser contadas, que naquela tarde acabei na sala de espera de um fotógrafo das redondezas.


Quando chegou a minha vez, expliquei que queria um retrato pequeno, barato, e que quanto mais rápido ficasse pronto melhor. Tentei explicar-lhe que a mirada da máquina me produzia desconcerto e que se fosse possível fazer retratos com anestesia eu seria adepto.


—Tentaremos fazer que não doa —disse o fotógrafo—. Usaremos magnésio e o senhor não sentirá nada.


Ajeitou-me, moveu a mão e pediu que olhasse para a objetiva antes do passarinho. É algo que, naturalmente, sempre desperta interesse, e, enquanto olhava com os olhos bem abertos para não perder nenhum detalhe, o homem apertou um botão e uma bomba de borracha que estava ao lado da máquina.


As coisas então tomaram uma dimensão espantosa. À minha direita, a labareda do magnésio parecia trazer um pedaço do céu de verão ao recinto; dei um salto digno de quem está em forma, para proteger-me da máquina, e dali vi como a flama incendiara uma cortina de veludo negro. O fogo pegou nos móveis e em cinco minutos queimava toda a casa, da qual escapamos o artista e eu por milagre.


Naquela mesma noite as pessoas recebiam as notícias de que um bloco de casas queimara e que mais de trezentas pessoas tinham morrido, todas de boa família.



COSES APARENTMENT INTRANSCENDETS


Durant molt de temps vaig viure en una dispesa de prop del port. La família que la regentava va arribar a tenir-me molta estimació, i quan els vaig dir que me n’havia d’anar a Bratislava per raons de policia la senyora de la casa em digué:


–Deixeu-nos un retrat vostre. El posarem damunt del piano i així us podrem enyorar més de gust.


Jo li vaig dir que no en tenia cap, que mai no havia estat partidari de fer-me retratar, però la dama insistí:


–Feu-vos-en fer un. Encara que no tingui cap importància. Una cosa senzilleta, sabeu? Només per conservar la fesomia.


Realment era tan simple complaure-la i jo li devia tantes coses que no es poden contar, que aquella tarda em trobava fent antesala a casa d’un fotògraf de barriada.


Quan em tocà el torn, vaig explicar que volia un retrat petit, de poc preu, i que com més aviat enllestíssim millor. Vaig procurar fer entendre que la mirada de la màquina em produïa desconcert i que si fos possible fer retrats amb anestèsia jo en seria adepte.


–Procurarem que us sigui lleu –digué el fotògraf-. Usarem magnesi i no us sentireu de res.


Em va posar bé, mogué la mà i em digué que mirés l’objectiu, que sortiria un ocell. Això, naturalment, sempre desperta interès, i, mentre mirava amb els ulls ben oberts per no perdre detall, l’home va prémer un botó i una pera de goma que hi havia al costat de la màquina.


Aleshores les coses prengueren un aire de grandesa que esfereïa. A la meva dreta, la flamarada del magnesi va semblar que portés un tros de cel d’estiu a la cambra; jo vaig fer un salt de persona ben nodrida, per protegir-me darrere la màquina, i des d’allí vaig veure com la flama havia encès una cortina de vellut negre. El foc s’encomanà als mobles i al cap de cinc minuts cremava tota la casa, de la qual escapàrem l’artista i jo per miracle.


Aquell vespre mateix la gent tenia notícies que havia cremat un bloc de cases i que moriren més de tres-centes persones, totes de bona família.



QUESTÕES DE TRÂMITE


DISSERAM AO RÉU que tinha direito a uma última vontade, mas ele respondeu que não queria saber, porque não se entenderiam.



QÜESTIONS DE TRÀMIT


Van dir al reu que tenia el dret d’una última voluntat, però ell respongué que passava, perquè no s’entendrien pas.



PASSOS CONTADOS


EM UMA CURVA, perguntei onde começava aquele caminho, e uns caçadores me explicaram que justo no contorno da silhueta do salgueiro sobre o horizonte. Caminhei até pelarem os pés e, ao chegar ao salgueiro, um homem metido na terra disse-me que aquilo não era nenhum começo, mas um dos finais. Ao descobrir a minha mirada de estupor —quem sabe de espanto—, o homem metido na terra recomendou-me não fazer estardalhaço e buscar um buraco protegido e de bom tamanho antes do pôr do sol. "Depois —acrescentou— faltará tempo".



PASSOS COMPTATS


Des del revolt, vaig preguntar on començava aquell camí, i uns caçadors m'explicaren que just on es retallava la silueta del salze damunt l'horitzó. Vaig caminar fins a escorxar-me els peus i, en arribar al salze, un home clavat a terra em digué que allò no era cap començament, sinó un dels finals. En descobrir la meva mirada d'estupor -i qui sap si d'espant-, l'home clavat a terra em recomanà que no fes escarafalls i que em busqués un sot arrecerat i a mida abans no es pongués el sol. «Després -afegí- tot són presses».



OFUSCAÇÃO


ENTRE IR AO CÉU ou ficar em casa, preferiu o último, apesar do poder da propaganda contrária, e do fato de sua casa ter goteiras e muitas e bem variadas privações.



OBCECACIÓ


Entre anar al cel o quedar-se a casa, va preferir això darrer, a desgrat del poder de la propaganda contrària, i del fet que a casa seva hi havia goteres i moltes i molt variades privacions.



JUNTANDO AS PONTAS


ESTA É uma daquelas histórias que começa em um café e não se sabe como acabam. No balcão, ou ao redor de uma mesa, um cliente explica aos amigos:


—Dizem que os olhos são um dispositivo para ver como são as coisas que nos rodeiam e como são os outros. Mas e para ver dentro si mesmo? Nesse sentido, somos cegos. Ou é que tudo o que vemos fora é, na realidade, o que carregamos dentro? Então não seria de estranhar que passem tantas desgraças. De uma maneira ou de outra (e exagerando!) só vemos a metade do que existe, ou seja que dois olhos ou são muito ou são pouco, mas nunca a medida justa. É um motivo poderoso para afirmar que não é que a natureza seja sábia, mas que sabe um monte de coisas de memória e as repete como um papagaio.



LLIGANT ELS CAPS


La present és una d’aquelles històries que comencen en un cafè i no se sap com acaben. Al taulell, o al voltant d’una taula, un client explica als amics:


—Es diu que els ulls són un dispositiu per veure com és allò que ens volta i com són els altres. ¿Però i per mirar a dins d’un mateix? En aquest sentit, com cecs. ¿O bé passa que tot el que veiem a fora és, en realitat, el que portem a dins? Aleshores, no ens hauria d’estranyar que hi hagin tantes desgràcies. D’una manera o altra (i tirant llarg!) només veiem la meitat del que hi ha, o sigui que dos ulls o són massa o són poc, però mai la mida justa. És un motiu poderós per a afirmar que no és que la naturalesa sigui sàvia, sinó que sap una colla de coses de memòria i les repeteix com un lloro.



O EXPRESSO


NINGUÉM QUERIA DIZER-LHE a que horas passava o trem. O viam tão carregado de malas, que lhes dava pena explicar-lhe que ali nunca tinham tido vias nem estação.



L’EXPRÉS


Ningú no volia dir-li a quina hora passaria el tren. El veien tan carregat de maletes que els feia pena explicar-li que allí no hi havien hagut mai ni vies ni estació.



O FILHO DE VÊNUS


PODE-SE DECLARAR UM INCÊNDIO, uma guerra ou o conteúdo de uma mala, mas não o amor. A propósito do amor, todas as declarações são indiscretas, inclusive esta.



El fill de Venus


Es pot declarar un incendi, una guerra o el contingut d’una maleta, però no un amor. A propòsit de l’amor, totes les declaracions són indiscretes, fins i tot aquesta.



Por um melhor amanhã

(drama em menos de um ato)


A cena representa:

À esquerda,

um por do sol

À direita,

um fim de semana


Ao levantar-se a cortina, o único personagem da obra (jovem de boa presença) avança com o propósito de recitar um estremecedor monólogo de protesto. Mas a cortina despenca por causa de um problema mecânico e o esmaga. Acabado.


FIM

(Na terça-feira não haverá espetáculo, para descanso da Companhia.)



PER A UN DEMÀ MILLOR


(Drama en menys d’un acte)

L’escena representa:


A l’esquerra, una posta de sol.

A la dreta, un cap de setmana.


En alçar-se el teló, l’únic personatge de l’obra (jove de bona presència) s’avança amb el propòsit de recitar un estremidor monòleg de protesta. Però es desploma el teló a causa d’una avaria mecànica i l’esclafa. Llestos.


FI

(Els dimarts no hi ha funció, per descans de la Companyia.)



TEMPOS DIFÍCEIS


A IDADE MÉDIA foi uma época de conflitos. A donzela do condado (que não enxergava muito bem) estendeu os braços para receber de coração aberto algo que voava e pensava ser um pombo. Mas na verdade era uma flecha disparada por um rei brigado com seu pai, e a donzela caiu sem entender nada.


TEMPS DIFICILS


L’Edat Mitjana va ésser una època conflictiva. La donzella comtal (que no tenia la vista massa fina) va estendre els braços per rebre a cor obert una cosa voladora que li semblava un colom. Però en realitat era una fletxa disparada per un rei que estava renyit amb el seu pare, i la donzella caigué sense comprendre res de res.



JUÍZO PRECIPITADO


UMA VEZ recebi uma flor vermelha, e não sabia se era uma ameaça ou o testemunho delicado de uma admiradora. Tratando de escolher, fiquei com esta última (porque me faltam mais paixões que inimigos) e já pintava um lindo quadro à base de conversas derramadas, quando bateram à porta e apareceu um mensageiro destes que vão de moto. O coração bateu depressa. Mas não: o rapaz me disse que tinha se equivocado de apartamento e me pediu que lhe devolvesse a flor.



JUDICI PRECIPITAT


Una vegada vaig rebre una flor roja, i no sabia si era una amenaça o el testimoni delicat d’una admiradora. Posats a triar, vaig quedar-me amb això darrer (perquè vaig més curt d’enamorades que d’enemics) i ja em feia tot de càlculs feliços a base d’entrevistes deliqüescents, quan va trucar a la porta i aparegué un missatger d’aquests que van amb moto. El cor em va bategar de pressa. Però no: el noi em va dir que s’havia equivocat de pis i em va demanar que li tornés la flor.



Tradução: Lucca Rossi


Pere Calders (Barcelona, 1912-1994) é um dos escritores mais lidos da literatura catalã e ganhou destaque como contista. Começou a escrever nos anos trinta e viveu vinte e três anos no México, onde se exilou depois da Guerra Civil Espanhola e produziu suas obras mais destacadas. Ganhou diversos prêmios durante a sua carreira, entre eles o Premi d’honor de les lletres catalanes e a Creu de Sant Jordi, a máxima distinção concedida pelo governo catalão. Seus textos são marcados pela ironia, pelo humor e por questões filosóficas, muitas vezes abordadas em situações fantásticas, flertando com o realismo mágico, e que também jogam com o absurdo.

revista zunái

© 2020 Revista Zunái

  • Facebook Revista Zunái