top of page

FINNEGANS WAKE (fragmentos) de James Joyce




Seo Tristão, violamor, de marilanda alenavara, inda se não havia arrevultado a passo ancora da Armórica do Norte, no magristmo da Eiropa Menor, aonde isolou-se forâneo ao quersoneso afuleimar-se em penoso prélio: nem tão sóia as fragas d‘alta serra despenhar pelo regato Oconina amealhando-se ao gargalho do concelho laurenciano ao passo que dublicavam a gorjeta abeternamente: nem a chamejada voz a taufolegar mexe mexe a crendospadre espetrufara inda não, embora evanesceu assim que o embuste não baldou discordeirar um velho isaque, suave cego: inda não, embora esteleja sinfeira a vanidade, as rútilas sestrelas lirigavam com o janota doizum.


Tradução: Afonso Teixeira Filho, página 3.


 


Senhoras não desedenhavam dos férreos tempos dozabetos; ciudade (chamada depois de Danaduna) quando um a mago era um a migo pra se carregar, como lacraurícolas fazem com seus mortos, quando o chão da bola-torrão donde de feto devemos aclamar o declínio, nosso legado ignorado. Vênuses foram cabriolando temptatrixes, vulcões golfavam erupções e todoomundo mulheril camisolado invariava. É fato, qualquer h-uma-na que você gostasse antesdomeiododia levava seu deusnuparido prafora, ou um pardeles, (ludodeus! logodoou!) e lindamente orou prele (ou comeles) cadum a seu gosto, a própria sorte,todos tapando a peteca do tapete persa. (Tagorje!) Poçonde ela cortezejava gamando com quem ela querias-secasar! Carramanchão, caçambalde, caravana, cova? Coche, carruagem, carrinho-de-mão, carrodestrume?


Tradução: Vinícius Alves, página 79.


 


Talvez criando um bigode, tu disse, com uma adorável cara de entreticimento? E usa crassos salões de bilhar com escada pra lá e pra cá? Não Hans o Curier apesar de ter tido tivesse apenas tido uma pequena diversão e um pouco menos de cara de pau e se não tivesse tão variado pelo bocado de perseguições que ele poderia passar, sim, e passaria, tão certo quanto a ponte de Essex. E não Vô fofocar, eu declaro pra quem quiser! Noé! Para o alívio de todos uma meia hipótese daquele símio boquirroto aluado das floriadas gracejeiras de Bruisanose foi raivosamente abandonado e seu quarto tomado por aquele odioso e ainda hoje insuficientemente malestimado raptor de notas (kak, pfooi, bobagem e fiasco, muito chistosco, Gus, poitín? Diz tu) Shem o Plumitivo.


Tradução: Daiane Oliveira, página 125.


 


Então Nuvoletta refletiu pelúltima vez em sua longa vida de minina e criou todazas suas profusões de mentes flutuantes numãezinha só. Cancelou seu nuvado. Subiu sobre os corrirmãos; deu um nublado grito munch infantil: Nuée! Nuée! Um pijaminha esvoaçou. Ela se foi. E no riacho quioutrora fora ribeiranna (pois milhares de lágrimas se perderam em sua eternideidade e a atingiram e ela era marafilhosa e lúciada quando dançava e seu caosfuso nome era Missysliffey) caiu uma lágrima, umúnica lágrima, a mais bela de todazas lágrimas (...)


Tradução: Luis Henrique Garcia Ferreira, página 159.


 


Para iniciar com isso do começo, precisamos coraçonadamente bemarcar, uma oração comunitária, cada um para si próprio, e concluí-la como um êxodo, parece-nos apropriado acrescentar, um coral em cânone, bom para nós todos para nós todos nós todos todos. Músicas entretonam os atos pelos ambianfiões de Annapolis, Joan Moquencômico, soprano masculino, e Jean Sobrovinho, baixo nobre, respectivamente: Oh, Mestre Milipeão, çi ishto éh ou kê você douas, então não estou surprepasmado que você queira aquela garrafa de Salvessekempode e Oh Ufa Fenavindita Naumedescure. Até as cimeiras cenas de escalímaces castastropânicos, A Montanha Barbada (Polimecha Desraizes), e O rio corre alegremente para o viveiro (Senhorelas em Undiforme). O bugigoguemagogue inteiro, incluindo as porções que se consideram odmitidas como os resultados dos respectivos titulares que negligenciaram produzir-se a si mesmos, a serem enrolados para uma pós-encenação através de uma Magnífica Cena de Transformação mostrando as Bodas de Vinho de Nocte e Reclamanhã e a Aurora de Paz, Pureza, Perfeição e Perpetuidade, Acordando os Desacorçoados do Mundo.


Tradução: Fedra Rodríguez, página 222.


 


Foi bem depois de certa vez havia uma valeilândia rumo ao riso foi menos depois da vida de thor um altofaiate na cidade mesmo e não antes de ele tirar o maldelo de Kersse vestindo a sua roupa mas e ou não antes de um lado a outro botoeirar o capristão norueguês.

Então ele buscou com a garra lagosteante do seu propencil a pista ao pé do ouvido. Ó, senhor dos barris, chegado de jáni, (não perdi a chave de Avlas-Enrac), Ó, Ana, brilhante senhora, vinda de Antesanigora (não deixei tentação no caminho do zelador da entrada), Ó!

Tradução: André Cechinel, página 311.


 


A Furmiga era um ser universal, polida e abeliosa, via quase de perto pequenas altitudes na cabeça como Schelling . Ela era sir, mas um sir solene e germanizante quando não estava fazendo espaços em sua psique, mas, ai de nós, quando ela estava fazendo espaços na chave do seu eu ela era mosca, mariposa sagrada e aparentava furmigamente ser sábia e charmante. Agora, quando o bobinho do Graçanhoto cansou-se de badalar pela jangal de dívidas e amores e jangalar pelo emaranhado da vida em dúvidas cada vez piores e de pilrear com bicões e marimbões, beber com nautoniectos, faturar com os peludos lambedores de esterco e horar atrás das joaninas ( ichnehmon diagelegenaitoikon), sentiu-se justamente doente como um sexistão e tanto pobre quanto um príncipe da igreja, de onde os mosquitídios serpearem a emsilfar-se ou onde procurarem por uma larva para suas corapassas ou encontrear um hóspes, hélas, ela nada disso sabia! Bruta seca! Fuka bika! Sultamont osa bare! E o mundo todo ousará vever! Nichtsnichtsundnichts! Nem um copeque de muscou para embrulhar um perdacinho de pão-de-abelha. Eusmeu! Eusmeu! Uma curbícula de cãimbra, que praga! Oh, meu Deus, ela constristou-se melanctólica. Eu nevada! Ele lesmado! Estou cordialmente esfomeada [...]


Tradução: Aurora Bernardini, página 360.


 


— Bando de escandalosos, aquela família toda! Normand, Desmond, Osmund e Kenneth. Fazendo mágica histeórica ao longo do show!

— Em suma, montezuma? E que mais farra de casório?

— Iam nossos postes tropicando em torno aos rijos remos postiçonando quando Arturzão cutucou o campo da corte de Annie.

— Dirrepente algum barro bem cozido desmoldou-se do guarda-bucho da casa de barcos?

— Desrepente ouve um foguinfernal bastão voando pelo buiaco na paiede de Nãoseionde.

— Como a bigorna expulsa do paraíso calamitocambaleante. Três dias três vezes Vulcano adentro?

— Pow!

— Ou Noé et Ecclesiastes, non?

— Ni, nada na palha no hotel Eccles.

— Mas eu vicinal dele, não dá para arrancar nada da quintessência dele? Nome, casa e a gente fecha a noite!

— . . n . ’. . . t . l.

— Estás certo de que não foi num sacode do schüler ou num safanão do peregrino ou numa piscadela do morto etcaetera etcaterorum que esteve?

— Precisamente.


Tradução: Vitor Alevato do Amaral, página 514.


 


Noite a silenciosavelejante noite enquanto a infatina Isobel (que enrubecerá o dia todo para ser, quando ela cresceu um domingo, Santa Sagrada e Santa Marfim, quando ela tirou o véu, a linda freira da apresentação, tão quase vigenária, em sua coifa pura, irmã Isobel, e domingo que vem, visconatal, quando ela parecia um pêssego, a linda Samaritana, ainda tão linda e ainda adolescente, enfermeira Santidade Isabelle, com punhos de manga tesengomados exceto nas manhãs de Heriado, Cristonasce, Erressurreição quando ela vestia uma grinalda, a maravilhosa viúva de dezoito primaveras, Madame Isa Viúva La Belle, tão triste porém sortuda em seu véu de carpideira garotinhoazul longo negro com flor-de-laranjeira) pois ela era a única garota que eles amavam, como ela é a pérola régia que você preza, por conta do modo como a noite em que a encontramos pela primeira vez deva ser, eu acho, e não em vão, a querida do meu coração, dormindo em seu berço de abrilcó, em sua unicâmara, com seu pirulitodassobio saborameixa em par com o crazyquilt, Isobel, ela é tão bonita, verdade seja dita, olhos de bosque e cabelos primulares, silenciosamente, todos os bosques tão selvagens, em malva de líquen e serenodeloureiro, como tão completamente calma ela jaz, sob o pilriteiro, criança da árvore, como alguma folha caidalegre, como uma esperança estática, como feliz iria ela logo, pois em breve novamente será, me ganhar, me cortejar, me esposar, ah me cansar! profundamente, agora calmigual jaz dormindo...


Tradução: Tarso do Amaral, página 556.


 


A nébula tá liventando. E o ancião da anciosa já se levantou em outros tempos pra sulplicar aos bonnamours. Sinn vem, somme fein havaunte! Buon dia, cês viram o amanecer do Pier? Mundos anos atrás usamos os seus até quando fundimos um now altro. Conclamando todos os despertos. Conclamando todos os despertos a despontar. O velho criador concebeu o comumwelth das naturezas para Foyn MacHoolingan. O líder, o líder! Non facile est iudicat orbis Terráquia. Sábio slogan. Te sacode, anoitece escurece, abri espaço pra sina do forte! E deixa Feghin ser embalado pra fora de sua homiliação. Confidências para capeleiros. Temos o maior prazer em annonciar para o público praticante de potatowsas pré-regrinações, genghis stá indo star contigo. Uma mão emerge da nuvem portando um mapa expandido.

Todo semeiador de sementes de luz para os espíritos de porco do polvo bomvino que estão no dorminatório do Surdomudo depois da noite do cumprimento da palavra de Nuahs e a noite da criação de Mehs para sinháconchegar numa quenturança, Pu Neseht, senhor dos allnéis no chibalba de Ntamplin, tã triumphant, falante.

Tradução: Dirce Waltrick do Amarante, página 593.


 


Mas, eu li numa inacabadestória que enquanto o sino soar ainda haverá quem si quer. Haverá outros, mas nenhum servirá pra mim. E ainda que nunca soubesse que nos vera antes. Noite após noite. Quanto eu desejei ir. E ainda contudo. Certa vez, estiveste diante de mim, com o riso solto, em tua canoa com um escarcéu de ramalhos para me refrescar. E eu repousaria tão silenciosa como o musgo. E de novo, me perseguirias, rugindo, como uma grande sombra negra com um olhar penetrante para me possuir nua e crua. E congelaria e oraria por ti. Foram três vezes. Fui a queridinha de todos. Uma garota princepada. E tu foste o corsário vicânico da pantomima. A invisão da Irlândia. E, pelo Deus do Trorror, você viu isso! Meus lábios ficaram lívidos pela excitação do medo. Assim como agora. Como? Como prometeste que me darias as chaves do coração. E ficaríamos casados até que a morte nos aparte. Ainda que o mal nos ampare. Tão meu! Assim, não, agora sou eu que tenho que te dar. E dublinar-se-ia. Dublinando. E isto poderia serr um adeuss? Ai de mim! Quisera eu ter o melhor olhar para poder vislumbrar-te neste alvorecer nascente. Mas, tu estás te transformando, não cochila, estás diferente de mim, posso sentir. Ou esta sou eu? Estou confusa. Aflorando [...].


Tradução: Andréa Buch Bohrer, página 626.



71 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
bottom of page