Alessandro Niero por Aurora Bernardini

TRADUÇÃO VOLUME 5 NÚMERO 2



CROCE E DELIZIA


Perché sia tutta tutta bella devo

metterti in musica con le parole.



CRUZ E DELÍCIA


Para que sejas toda toda linda devo

pôr-te em música com as palavras.




CINQUE METAFORINI


La cresta spumeggiante delle onde

è «neve sulle onde».

La galleria che si attraversa in auto

«è la balena di Pinocchio».

Le luci d’acqua che si specchiano in un vetro

«sono le stelle che ballano».

La costruzione di metallo alta e bianca

«è una fontana».

Le mie pupille sono

«nèi negli occhi».



CINCO PEQUENAS METÁFORAS


A crista espumante das ondas

É “neve sobre as ondas”.

A galeria que se atravessa de carro

“é a baleia de Pinóquio”.

As luzes d’água que se espelham num vidro

“são as estrelas que dançam”.

A construção metálica alta e branca

“é um chafariz”.

Minhas pupilas são

“pintas nos olhos”.




VOLANTINA


Distribuisce volantini e troppi

l’ascella ancora ne trattiene

nella proterva sgambettata sotto i portici.

Così, dissimulando impegni,

va ricalcando, stonatella, in cuffia

alcune note commerciali al cuore – muffa

di rime (ancora oggi): fiore-amore.



FOLHETISTA


Vai entregando folhetos e demasiados

ainda segura no sovaco

na teimosa andança nas portadas.

Assim, disfarçando compromissos,

vai recalcando, meio desafinada, nos

fones algumas notas do comércio, no coração

mofos de rimas (ainda hoje) flor-amor.




PRENDERE GRANCHI


Prendiamo granchi questa sera.

Con il retino, l’acqua chiara e tutto il resto.

Avrò un bel dirti che ad altro rimonta

ciò che facciamo e, forse,

farai per molte lune... Intanto

non per te declinante il sole rade

molli corazze e dolci ti abradono

scaglie di luce. E questo, a ora, è quanto.



PESCAR SIRIS


Vamos pescar siris de tardezinha.

Com a redinha, a água clara e todo o resto.

Nem adianta dizer-te que o que fazemos

vem de outra coisa que porventura

farás por muitas luas...No entanto

o sol que não por ti se põe roça

couraças moles e docemente te abrasam

escamas de luz. É isso, por enquanto.




CAROSELLO DI HORN


L’Olanda è un paese orizzontale.

Ci vedi i polder, la gran diga (un digradare

di ammattonati grigi fino al pettine

che catramoso inforca il mare), il cielo

di piombo chiaro e spazio spazio spazio –

spazio senza mai una magra.

L’Olanda ha un cuore di canali, acqua

color petrolio, refoli di vento

aizzati dalle bici e, fra le tante,

una natura morta con il morso.

L’Olanda è il fiore della disciplina

dentro i giardini, micromondi vegetali.

Ma più di tutto è Horn, il luna park,

seicentocinquant’anni, storia.

Ma più di tutto – intorno l’aria blesa

dei genitori – è tu che giri su una giostra,

che smotta l’aria, frulla arie:

ridotto a un bubbolio di suoni,

perfino un rastremato Amami Alfredo alza,

portandoli alla gola, sentimenti e strazio.



CARROSSEL DE HORN


A Holanda é um país horizontal.

Lá vês o polder, o grande dique (degradação

de atijolados cinza até a pentada

que alcatramosa enforca o mar), o céu

de chumbo claro e espaço espaço espaço –

espaço sem nenhuma seca.

A Holanda tem coração de canais, água

cor de petróleo, sopros de ventania

atiçados por bikes e, entre as tantas,

a natureza morta com mordida.

A Holanda é a disciplina florida

nos jardins, micromundos vegetais.

Mais do que tudo é o parque Horn,

seis séculos e meio de história.

Mais do que tudo – no ar ciciante

dos pais por toda parte – és tu que dás voltas

num carrossel que aos poucos no ar desliza, gira ares:

reduzido que está a um rumorejar de sons,

e mesmo um Ama-me Alfredo que subindo se reduz,

alça até a garganta sentimentos e agonia.




LA DANSEUSE


Sono al concerto dei tuoi minimi passetti.

Un trepestio di suoni schiaccia

gli scricchi del parquet e un cantautore

omette i congiuntivi, sfoggia

accordi e disaccordi. Questa musica,

scollata dal tuo matto zampettio,

è come canzonasse il gongolare

delle tue braccia. A me

sembra che basti la tua grazia rosazzurra

per battere riproduttore qualsivoglia

e le sue note in corsa martellante…

Ma qui non conto e zitto ascolto chi ti chiede

l’intelligenza delle gambe.



LA DANSEUSE


Estou no concerto de teus mínimos passinhos.

Uma birra de sons esmaga

os estalos do parque e um cantautor

omite os subjuntivos, ostentando

acordes e desacordes. Esta música,

que de teu patear se desgarra

é como se zombasse do rebolar

de teus braços. A mim

parece que baste tua graça rosa-azul

para ganhar de qualquer reprodutor

e de suas notas martelando a corrida...

Mas nada conto aqui e ouço calado quem pede a ti

a inteligência de tuas pernas.



Traduções: Aurora Bernardini




Alessandro Niero, nascido em San Bonifacio, Verona,em 1968, leciona literatura russa na Universidade de Bolonha. Começou a publicar seus poemas com a plaquette Tendente a 1 (Verona, Colpo di Fulmine, 1996; apresentação de Milo De Angelis),ela constou,depois, junto com outros poemas, do volume Il cuoio della voce (Roma, Voland, 2004). Seguiu-se uma coletânea de poemas “entre o futebol e a autobiografia”, A.B.C. Chievo (Firenze, Passigli, 2013; apresentação de Massimo Raffaeli). A antologia Poesie e traduzioni del signor Czarny (Brescia, L’Obliquo, 2013) e o volume Versioni di me medesimo (Massa, Transeuropa, 2014; posfácio de Andrea Afribo), vieram em seguida. Outros poemas dele encontram-se em «Galleria» (1994), «Tratti» (2002), «In Forma di Parole» (2008), «Poesia» (2012), etc. Entre os livros por ele escritos sobre a arte poética salientam-se: Una “incógnita” di Zamjatin - problemi di traduzione (Schena, Fasano, 2001; L’arte del possibile: Iosif Brodskij poeta-traduttore diQuasimodo,Bassani,Govoni, Fortini, De Libero, Saba (Cafoscarina, Venezia, 2008);Residenza fittizia( Marcos y Marcos, Milano,2019).Pelos seus poemas, pelas suas traduções e trabalhos sobre poetas russos recebeu vários prêmios nacionais e internacionais.

17 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo