Petronio De Tilio Neto - MINIANTOLOGIA DA FICÇÃO CIENTÍFICA BRASILEIRA

PROSA VOLUME 5 NÚMERO 1


CINCO DESVANTAGENS DE SER IMORTAL


A primeira vez assusta, não é, garoto? Não, não é minha primeira. Já perdi as contas. Aqui não tem muito o que fazer, então sente-se, vamos conversar. Eu sei que não tem onde sentar; eu estava brincando.


Como eu sei que é sua primeira vez? Eu leio pensamentos. Calma, é brincadeira de novo. Está escrito ali no seu casulo. Não, aquilo no meu não é um oito. É o símbolo do infinito. Como assim, nunca viu? Bem, você já deve ter visto aqueles documentários mostrando casulos antigos, aqueles com o círculo azul. Antes do círculo eles usavam o símbolo do infinito. Sim, eu estou nisso desde o começo. Aliás, pode me chamar de Frank. Qual o seu nome?


Essa parte é chata, a sala de espera. A vantagem é não ter que brigar por um espacinho naqueles cemitérios cheios. Você sabia que antes até os mais pobres tinham grana pra pagar um túmulo? Claro, se você está aqui é porque dinheiro não é problema.


Vou te dizer uma coisa, garoto: a imortalidade é superestimada. No começo tudo são flores. A gente gastava fortunas naquelas tecnologias de prolongamento da vida, pra poder esperar o dia em que seria possível viver pra sempre. Depois que você consegue, as desvantagens começam a aparecer.


A primeira desvantagem, no meu caso, é espiritual. Eu e minha esposa éramos espíritas, com todo aquele lance de reencarnação e evolução. A vida é passageira, a alma precisa abrir mão do corpo pra evoluir em outros planos, coisa e tal. Então às vezes eu penso se fiz bem em fugir da morte. Por outro lado, agora tenho mais tempo pra aprender minhas lições. Tempo nós temos de sobra, certo? Pode rir, garoto; foi outra piada. Algumas piadas nunca envelhecem.


Sim, eu ainda sou espírita, como quase todo mundo. As pesquisas mais recentes já comprovaram que existe vida após a morte. Não, não é uma conspiração do governo pra controlar o povo. E mesmo que fosse, não teria importância. As pessoas precisam aprender a valorizar mais a alma que o corpo. Pena que a maioria não entende.


Minha esposa? Preferiu ficar no corpo em que nasceu. Morreu com ele já faz muito tempo. Esse é outro ponto negativo da imortalidade: perder quem você gosta. Aí você tem que gastar rios de dinheiro pra não perder o rastro dos seus parentes vivos. O lado bom é que ficar sozinho me obriga a fazer amigos novos; os médicos dizem que isso é importante. Não, agora eu não estou brincando.


É claro que sinto saudades dos amigos que se foram. Quer dizer, dos que eu lembro. Essa é outra coisa triste da imortalidade: perder a memória. Sim, eu acompanho os avanços da medicina; já tentei todas essas curas pro esquecimento. O fato é que a cada transferência você perde alguns fragmentos de informação, e com o tempo vão surgindo lapsos em suas lembranças. Aposto que seus médicos não contaram essa parte. Você pode até aprender as coisas novamente, mas as emoções já eram. Até que um dia você para de ligar para as coisas que esquece. E lá se vão lembranças, momentos e, com o tempo, até algumas capacidades. Eu já fui campeão de xadrez, e hoje não sei mais quantas cores tem o tabuleiro. Estou só brincando, mas é mais ou menos por aí.


A quarta desvantagem de ser imortal são esses manifestantes. Eles fazem reivindicações por motivos religiosos, por questões sociais, enfim, reclamam de tudo. Se damos dinheiro pra eles, somos capitalistas manipuladores. Se damos coisas, somos paternalistas. Se organizamos casamentos para os parentes vivos, é reclamação na certa. Não tenho mais paciência pra esses tipinhos. Espero que nenhum deles seja seu parente. Estou brincando, garoto; é claro que tem parente seu lá no meio. Ou vai ter, daqui umas décadas.


Enfim, esses tipos são nojentos. Não culpo o governo pela repressão, desde que seja no lugar certo. Dos meus parentes, cuido eu. Fora das minhas propriedades, pode descer o cacete. Essa ralé não tem o mínimo de bom senso. Se querem desperdiçar seus corpos sadios, azar; eu aproveito.


Tem mais uma desvantagem. Eu deixei a pior por último, então preste atenção. Você é obrigado a passar o tempo todo cuidando dos negócios. Tem que aprender a pensar no longo prazo. Porque miséria atrai miséria. Se suas empresas vão mal, a grana acaba. Se a grana acaba, você perde seus currais. Se perde os currais, seus parentes saem pelo mundo morrendo em protestos e casando com quem quiserem. E não tem nada pior que um bando de parentes com genoma sujo. Aí nem o melhor médico do mundo vai conseguir montar um corpo decente pra sua próxima transferência.


Seus médicos estão acenando, garoto. Acho que seu corpo está pronto.


Petronio De Tilio Neto é formado em Ciências Sociais e doutor em Ciência Política. Tem 41 anos e é professor universitário na cidade de São Paulo. Escrever sempre foi um projeto, mas apenas nos últimos anos conseguiu colocar as mãos na massa. Possui um site, o Rioponte.com, onde tenta fazer ficção científica brincando com forma e conteúdo. Lá estão centenas de minicontos e algumas ficções relâmpago, e seu próximo passo é investir em textos mais longos.

43 visualizações
revista zunái

© 2020 Revista Zunái

  • Facebook Revista Zunái